quinta-feira, 5 de maio de 2011

PERSONALIDADE CRUZALMENSE - Luciano Passos - saudade do grande poeta


A data 04 de maio tem um significado de suma importância para a poesia de Cruz das Almas. Trata-se do dia em que nasceu o saudoso Luciano Passos, “um poeta que transpira espantos. Ele carrega na pele, como outra pele misteriosa, a placenta flutuante das palavras”.
Luciano Passos nasceu em Cruz das Almas, Bahia, em 1944. Foi poeta, advogado, político e fotógrafo. Marido da poetisa Lita Passos, para quem escreveu seus mais belos poemas. Faleceu em 14 de novembro de 1997, em Salvador, capital baiana.
“Luciano surpreende. É o poeta dele mesmo. Que nos conduz por um labirinto de uvas, sementes secas, oásis, vômitos, menstruação das fagulhas, como deve ser um poeta maior e muito melhor do que estes pobres imberbes que invadem, como ciclopes atacados de súbito astigmatismo, nossa mídia míope.
Em Luciano Passos, me parece, a poesia volta a ser o que precisa ser: a palavra, a metáfora docemente assassina, o pecado. Toda a explosão. Ler Luciano é explodir. É vencer o buraco negro da pobreza poética que vagabundeia nas escrivaninhas dos áulicos da fama. Ler Luciano é sorver o leite envenenado da paixão. E isso, francamente, me basta. ”(Fernando Coelho - poeta e jornalista)

Abaixo, um pouco da cronologia da vida de Luciano Passos, além dos cargos públicos, políticos e de gestão (foi eleito vereador por várias vezes em Cruz das Almas, ocupou cargos em Salvador e também em Brasília – DF). Foi ainda, pai de um casal de filhos.
1944 - Nascimento, 04 de maio, na Fazenda Campo Limpo. Cruz das Almas, Bahia, filho de Dr. Ramiro Eloy Passos e da Profª Maria Ubaldina Silva Passos;
1960 - Mudança para Salvador, Bahia - Faz o curso clássico no Colégio Antonio Vieira;
1967 - É Bacharel em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade Católica de Salvador;
1974 - Casamento a 23 de dezembro com Angelita de Almeida Passos (Lita Passos), cruzalmense, poetisa, ele com 30 e ela com 20 anos;
1976 - É vereador eleito à Câmara de Vereadores de Cruz das Almas (primeira gestão).
1979 - Professor de Organização Social e Política do Brasil, e Direito e Legislação do Colégio Alberto Tôrres;
1985 - Publica Casulo de Vidro - Poesia - "Fotos e poemas se misturam num Mundo de luzes brancas e pretas"
1987 - Publica Cavalo Estrelado - Poesia Um livro dedicado aos assanhaços da sua terra, uma demonstração da força viva da natureza;
1989 - Publica Corpo Aceso - Poesia - Dedica este livro a “Estrela mais Próxima”, “ Minha pele é um reboco e meu queixo é apenas a perspectiva de um soco” Diz o poeta;
1990 - Relator da Lei Orgânica do Município de Cruz das Almas;
1990 - Presidente da Fundação Cultural Galeno D'Avelírio (Casa da Cultura) de Cruz das Almas;
1994 - Publica o livro de poesia Língua Bailarina, dedicado ao "som do fax e ao tom do sexo";
1995 - Publica seu primeiro livro de prosa poética - Cruz das Almas Estrela Guia e Lençol Perpétuo Homenagem a personagens da sua terra natal, para a qual se voltou inteiramente o seu espírito nos últimos anos da sua vida;
1997 - Publica Santa Cruz dos Laranjais - A obra revela em prosa poética o espírito do povo de Cruz das Almas, através de seus personagens.
1997 - Falecimento, a 14 de novembro, no Hospital COT, em Salvador-Ba. O enterro saiu da residência de seus pais em sua terra Natal, Cruz das Almas, onde vivera 53 anos



TRIBUTO AO POETA LUCIANO PASSOS de Cyro Mascarenhas
Sua vida foi intensa e fugaz
como a magia rutilante de um cometa
que passa ofuscando as estrelas.
Em vôo prematuro, depois de tanto brilho,
partiu apressado para iluminar outros céus
a milhares de anos luz distantes.
Sua poesia foi um vulcão explosivo
a espargir sonhos e cores vívidos
qual pétalas de luz em noite escura.
Os seus versos reviveram sagas,
quebraram algemas, desvendaram mistérios
lavaram almas e celebraram amores.
Amores que o primeiro descobrimos
em encontros furtivos de adolescentes
codificados na paz do Campo Limpo.
Ah recordações indeléveis
de alfa e beta, as irmãs amadas,
sempre lembradas em ébrias madrugadas...
A sua partida, no "cavalo estrelado",
deixou-nos apeados e tristonhos;
ficaram a flor de luz de "corpo aceso"
eclodida de um "casulo de vidro"
e a magia da "língua bailarina"
a consolar a "santa cruz dos laranjais".
Muito mais que "imagens do silêncio"
são tributo aos suspiros e delírios
desse obreiro de versos e sonhos.
Em 4 de maio de 2007
________________________
Nota: as palavras aspeadas referem-se a títulos de livros do poeta.
Cyro Mascarenhas
Publicado no Recanto das Letras em 27/05/2007
Código do texto: T503112

Fontes: http://www.cruzdasalmas.com.br/lucianopassos/index.html
http://www.revista.agulha.nom.br/lpasso00.html
http://recantodasletras.com.br/poesiasdedicatorias/503112

Um comentário:

  1. Bela homenagem, Luciano Passos além de ser um grande poeta era um ser humano maravilhoso. Tive o prazer de conviver com ele e aprender muitas coisas, principalmente sobre música. Lembro-me que ele me apresentava sempre uma novidade musical em sua casa, dentre elas Elomar e Xangai. Eu recebi uma vez um poema das mãos dele para ser musicado e apresentado no meu primeiro Show, Momento alado, foi um desafio em tanto, musiquei e ele gostou, gravei agora no CD Tons, chama-se A lua morre em agosto. Parabéns a vocês por essas postagens. Abraço!

    ResponderExcluir